Aforismos (II)    
25 de novembro de 2016
Qual é a voz para arte de Cuba?
29 de novembro de 2016
Exibir tudo

 

Não é insulto não! São dicas a partir da experiência de dois casais que circularam pela Ilha do Caribe

A dimensão histórica da morte de Fidel Castro nesse fim de semana colocou Cuba na pauta dos noticiários no mundo inteiro e aguçou a curiosidade de muitos que adoram viajar a conhecer essa paradisíaca ilha do Caribe.

‘Vai pra Cuba’, sugere PanHoramarte, sem a conotação de insulto dada pela turma da histeria ideológica, e sim, com dicas a partir da experiência de dois casais de curitibanos que circularam por ela, durante 14 dias, em novembro de 2015.

1

Claudia e Leandro, Mario e Juliana decidiram conhecer a Ilha de Cuba logo depois da notícia da suspensão do embargo econômico, comercial e financeiro feita pelos EUA em 2015. “Para encontrá-la ainda em estado genuíno. O que Cuba é de fato, sem interferências do que surgirá a partir dessa decisão”, contou Claudia.

Casas de família

O primeiro passo, depois de  comprar a passagem, foi o de buscar uma acomodação sem que fosse um hotel. Segundo ela, os hotéis lá são caros e existem muitos sites que oferecem quartos em casas de família, com uma diária em torno de 30 euros o casal. Funcionam como pousadas e oferecem café da manhã, que por sinal é delicioso. O site BelisimaCuba foi recomendado por uma blogueira e foi por ele que os quatro fizeram suas reservas.

Havana, Cienfuegos, Cayo Coco, Trinidade e Holguin, foram as cidades que fizeram parte do roteiro turístico percorrido com um carro alugado em Cuba e cuja intermediação foi feita por Irina, administradora do site, que também dava sugestões sobre os passeios. É importante lembrar que na Ilha não circula cartão de crédito e o pagamento das pousadas é feito no momento da chegada dos hóspedes, em dinheiro, não antecipado.

 

3

A alegria e a preservação da tradição cultural na música e na dança é forte e evidente. Em Havana existem bandas cubanas em grande número nos bares espalhados pela cidade e algumas orquestras.  Em geral, o ritmo cubano está presente em todos os lugares e o povo adora dançar e cantar.

img_3218

Mas a pergunta está sempre na ponta da língua: Será que deu certo?

img_6042

A ambiguidade existe sim, de um lado a satisfação de uma camada da sociedade pela oferta de saúde, educação e segurança gratuita, de outro, uma parcela da população achando que a revolução foi um atraso na vida deles.

img_3127

Percebe-se as dificuldades provocadas pelo embargo nas construções antigas, sem a devida manutenção e a falta de produtos de consumo do quotidiano de países capitalistas.

As famílias recebem uma quota de alimentação mensal por parte do governo, que nem sempre é o suficiente. “Uma pobreza limitada”, como diz Leandro.

img_3120

Para Claudia, Cuba é um paradoxo.

“A pobreza existe, mas não é miserável, sem dignidade e cidadania”. As cidades são seguras. Nas ruas é possível circular à noite, de madrugada tranquilamente sem medo de ser assaltado.

img_7296

Ônus e Bônus

Cuba, pequena, bela, com suas praias paradisíacas mostrou ao mundo que é possível viver isolada. Pagou um preço por isso. Para alguns foi muito alto por deixar de acompanhar de forma acelerada a modernidade tecnológica, e para outros não foi alto, sobretudo por ter preservado o que é mais precioso para eles, a tradição cultural, a música, a dança, enfim a alma do povo cubano.

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Os comentários estão encerrados.