Um caminho para o reencantamento/série Inhotim

‘Direitos Humanos’ de Erol Anar nas principais universidades do mundo
21 de outubro de 2016
Emoções do olhar Yanomami nas lentes de Andujar/ série Inhotim
25 de outubro de 2016
Exibir tudo

Saindo da modernidade você caminha ao encontro de palmeiras de todos os tipos e verdes de muitos matizes

 

Tudo envolvido em orquestras de cigarras e pássaros cantando. A verdadeira naturalização do humano e a humanização da natureza, como disse o artista. Sim, ali se descortina o direito à vida da natureza perdida.

SUBMERGIR no cenário de INHOTIM é como mergulhar em um mundo mágico que foi esquecido pela modernidade.

Edgar de Souza, Sem Título – Bronze (2000)

O Parque impele as pessoas à reflexão sobre a diversidade e sustentabilidade substituídas pelo lixo consumista. O homem moderno e urbano sofre o impacto de adentrar no seu “habitat” verdadeiro e distante no tempo.

Inmensa – Cildo Meireles, Aço ( 1982-2002)

Sente que o seu mundo é esse ali representado. Mata Atlântica, aráceas, bromélias e palmeiras lhe abraçam num aconchego uterino.

As intervenções artísticas dialogam com a natureza. A galeria onde o artista apresenta o “som da terra” como o mantra “om” soa apelando ao renascimento dos humanos em comunhão com a terra. 

 

As instalações de Tunga e de Cildo Meirelles remetem à necessidade de salvamento dos homens, um renascer mais consciente, lógico e urgente, necessário ao reencantamento do homem diante da natureza.

 

 
Tunga – Galeria Inhotim

Os sons captados do canto da cigarra que se unem numa sinfonia única em Inhotim, de   Brumadinho, em Minas Gerais.Ao final o som da Terra, na obra do artista americano Doug Aitken numa sinfonia inusitada.  Esse museu a céu aberto é um deleite pela natureza exuberante e as extraordinárias instalações e obras de arte contemporânea. 

Comentários Facebook

comentarios

Lucia Helena Fernandes Stall
Lucia Helena Fernandes Stall
Lucia Helena Fernandes Stall é uma pesquisadora e amante da arte, mas percorreu outro caminho profissional. Formou-se em em Direito na UFPR, hoje advogada acredita que sua profissão também não deixa de ser a arte da defesa dos direitos do homens. 'Não sou nada.Nunca serei nada.Não posso querer ser nada.À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo", Fernando Pessoa (A Tabacaria).

Os comentários estão encerrados.