Museu em Londres mostra Ciência e Arte na Medicina

Mais mulheres e artistas esquecidos em Viva Arte Viva na Bienal de Veneza
26 de setembro de 2016
O riacho das crianças: Tersakan
29 de setembro de 2016
Exibir tudo
img_4953

Foto que mostra paciente sendo preparado para cirurgia no mundo moderno. Foto Mari Weigert

Uma das mais completas coleção sobre a evolução histórica da medicina está exposta no Museu da Ciência, em Londres.

A  mostra inicia no mundo antigo, com a medicina dos gregos, romanos, dos índios, da Idade Média e finaliza e com a fase contemporânea apresentando equipamentos e desenhos de épocas, com mais de 5 mil objetos.

Localizado ao lado do Museu de História Natural, o da Ciência fascina por mostrar  um paralelo entre a ciência e arte e a ousadia do homem e de suas descobertas.

Um destaque interessante para as aquarelas que mostram um médico realizando o Perkins Tractors, um método utilizado no passado para curar inflamação, artrose, gota, criado pelo médico Eliseu Perkins em 1796. Consiste em duas hastes de três polegadas de metal com um ponto no final utilizado para tirar o fluido nocivo elétrico que estava na raiz do sofrimento ( na verdade, o princípio da acupuntura).

Como um ocidental que não nega a origem patenteou o instrumento, embora anos mais tarde a sociedade médica de Connecticut tenha condenado o tratamento alegando  charlatanismo ilusório.

img_4923

material utilizado pelo médico Vincenzo Giustiniani (1570). Ilha de Chios, Mar Egeu

Relíquias

O material de uso pessoal  do médico Vincenzo Giustiniani (morto em 1570), o último governador genovês da Ilha Chios, no Mar Egeu, em madeira e cerâmica ainda com alguns vidros de medicamentos.

img_4939

Gravura mostra Ciência e Arte na Medicina. Foto Mari Weigert

Preciosidade

A gravura que representa uma médica tratando um bebe, é outra preciosidade da exposição Ciência e Arte na Medicina.  Esculturas do Deus Eshu, do povo Yoruba, na Nigéria, (1880-1920) e o cocar utilizado por curandeiros africanos – África Central 1880 a 1920 – representava a importância da cerimônia de cura e a causa de doença.

img_4944

Escultura Yoruba, Nigéria. Deus Eshu usado para cura. Foto Mari Weigert

Enfim, a gama de informações e material exposto deve ser visto com calma para que se possa entender a busca incessante de alguns homens sábios que quiseram diminuir as dores de seus semelhantes. Medicina, sem dúvida, é um sacerdócio e o médico moderno não deve perder este foco diante do mundo moderno, hoje excessivamente materialista.

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Os comentários estão encerrados.