Dinamarca devolve antiguidades retiradas ilegalmente da Itália

Artistas norte-americanos versus Trump
13 de julho de 2016
I – Heróis Olímpicos: o lendário Jesse Owens
17 de julho de 2016
Exibir tudo

Tesouros artísticos devolvidos à Itália

Um grande museu dinamarquês, o Ny Carlsberg Glyptotek, concordou em restituir à Itália cerca de 500 peças antigas adquiridas na década de 70.  As relíquias históricas foram descobertas em escavações ilegais e retiradas clandestinamente do território italiano.

250px-Main_entrance,_Ny_Carlsberg_Glyptotek

O Ny Carlsberg Glyptotek, localizado em Copenhague, capital da Dinamarca, detém a maior coleção de antiguidades do norte da Europa. O acordo entre os dois países foi histórico e está em negociação desde 2012. Serão devolvidas peças do século VIII aC. – uma carruagem bronze, escudo, armas, queimadores de incenso, talheres, encontradas na tumba de um príncipe etrusco, entre outros objetos arqueológicos. As peças deverão ser entregues entre dezembro até o final de 2017.

Fara in Sabine

Acredita-se que os objetos poderiam pertencer a necrópole Sabine em Colle del Forno, perto de Roma, assim como podem ser enviados para o Museu Cívico Arqueológico de Fara in Sabine.

Um comunicado emitido pela Glyptotek reconheceu que “as investigações têm mostrado que os objetos tinham sido descobertos em escavações ilegais na Itália e exportado sem licença”. As 500 peças, segundo a imprensa dinamarquesa, foram negociados por um especialista em arte antiga, Robert Hecht, julgado pelos tribunais italianos em 2005, por conspirar em receber antiguidades ilegalmente retiradas da Itália. O caso terminou sem veredito em 2012, depois que o estatuto de limitações expirou. Ele morreu poucas semanas depois da decisão, com 92 anos.

Glyptotek

O diretor do Glyptotek, Flemming Friborg, confirmou que os objetos a serem restituídos foram “adquiridos principalmente” de Hecht, que “naquele tempo era considerado um indivíduo respeitável”.  Frigorb reconhece que as aquisições não deveriam ser feitas. “O que a princípio parecia que iria se transformar num impasse político legal, agora, através de um diálogo acadêmico intenso foi transformado em um acordo poderoso e visionário”.

Em troca da restituição há muito aguardada, o ministério italiano de cultura se comprometeu a emprestar peças significativas para o museu dinamarquês, em itinerância contínua. O Glyptotek também irá colaborar mais estreitamente com as instituições italianas em pesquisa e exposições.

Olhar Crítico

O mundo da arte é também uma ‘briga de foice’ como diz o ditado popular. A Itália foi buscar seus direitos com razão, mas os próprios italianos também já foram obrigados a devolver obras retiradas ilegalmente de outros países. Num giro na internet foi possível descobrir duas apropriações indevidas da Itália, uma Líbia e outra do Paquistão. Líbia recuperou a Vênus de Sirene e o Pasquitão, 96 objetos em terracota.

Se assim fosse na América do Sul tão saqueada em suas relíquias históricas, como os tesouros Incas e muitos outros mais, pelos europeus conquistadores. O acordo, sem dúvida, abre um precedente judicial nas vendas clandestinas de obras arte, que muitas vezes chegam aos museus. Basta visitar o Louvre, na França, ou o Museu Britânico, em Londres, para ver a infinidade de peças antigas retiradas do seu lugar de origem. Será que foram todas legalmente?

Fonte: The Art Newspaper

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Os comentários estão encerrados.