Selfies e o descontrole das fotos

Caridade passa pela arte
3 de junho de 2016
Evitem a flacidez espiritual
8 de junho de 2016
Exibir tudo

Kate Durbin, Hello Selfie, performance a PULSE Miami Beach. Courtesy Sarah Cascone.

Um levantamento feito pelo Google revelou que 24 bilhões de fotos foram enviadas para internet em 2015. Calculem mais cinco anos e imaginem quantas fotos estão na nuvem!

O aplicativo acumulou 200 milhões de usuários em um ano de funcionamento. “Uma pessoa levaria 424 anos para olhar por um segundo cada uma das fotos”, disse em 2015, Anil Sabharwal,  que dirigia a Google Fotos.

A maioria das fotos está destinada a nunca mais ser vista. E quantos desses 24 bilhões de fotos são selfies? Muitos. O número exato ainda não foi calculado. Sabe-se, com certeza, que existe uma enorme preferência em fazer selfies perto de obras de arte, de tal modo que algumas foram danificadas.

Vale lembrar o episódio do brasileiro que  derrubou a estátua do rei D. Sebastião, em Lisboa, Portugal, na frente do Comboio do Rocio, por tentar fazer uma selfie junto dela. Também sem noção e muito azar do moço! 

Hello Selfie (foto) é uma nova performance de arte inspirada pela cultura de vigilância.

Kate Durbin vive em Los Angeles, é artista conceitual e escritora. Ela se tornou um ícone no mundo da arte americana por explorar a importância da arte feminista como um todo.

Fonte: Exibart

 na fre

foto via site Kate Durbin
foto via site Hello Selfies

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Os comentários estão encerrados.