Destino de Snowden deixa jornalistas inconformados

Perugia no roteiro dos jornalistas
8 de abril de 2016
Perugia nel percorso dei giornalisti
9 de abril de 2016
Exibir tudo

A constatação de que o único lugar seguro para o asilo político de Edward Snowden seria a Rússia ou China é triste, no entendimento da jornalista britânica e editora do Wikileaks, Sarah Harrison, que acompanhou o caso de perto. “Nós fazemos parte do império americano”, lamentou ela, se referindo a Europa.

O analista de sistema, ex-administrador da CIA, Edward Snowden, foi o jovem americano que mostrou o tamanho da vergonhosa espionagem que os Estados Unidos mantém sobre os cidadãos e governos do mundo inteiro. como disse Paulo Nogueira, jornalista do DCM. O caso aconteceu em meados de 2013. O jovem americano encaminhou os documentos ao jornal britânico The Guardian, e os segredos foram publicados em todos os jornais do mundo.

A discussão em torno do assunto Snowden, no Festival Internacional de Jornalismo, em Perugia, Itália, girou em torno da proteção da fonte(o que fornece a informação ao jornalista), numa época de controle de massa.

Snowden pode ser considerado herói, pelo fato de mostrar o quanto é vulnerável e inseguro o mundo online, embora para alguns seja considerado um espião, até criminoso. Para essa questão o consenso será muito difícil, segundo o jornalista investigativo John Goetz. da Hauptstadtstudio. Os representantes do Washigton Post foram convidados e não estavam presentes. O jornal americano é contra Snowden.

Ewen MacAskill, o jornalista do The Guardian, um dos primeiros a entrevistá-lo, contou suas dificuldades durante a sequência de entrevistas feitas com o americano, uma em Hong Kong e depois na Rússia. Na primeira, em Hong Kong, Snowden estava dormindo pouco e tinha problemas financeiros porque o seu sistema bancário estava bloqueado. Aliás, segundo relato de Sarah, o sistema bancário também do Wikileaks foi interrompido.

“Fiz contato com a direção do The Guardian para ajudá-lo, mas não tive uma resposta imediata”, disse. “Ele é uma fonte. Se o The Guardian paga a uma fonte contamina toda a história”, contou Ewen.  A jornalista e escritora Stefania Maurizi também esteve em Hong Kong entrevistando Snowden pelo semanal L’Expresso, e o defende, não é um espião, e justifica dizendo que suas informações não foram vendidas e sim oferecidas para publicação.

No final de toda história, o caso do vazamento de documentos confidenciais de um governo como do Estados Unidos, mostra a força de um poder econômico e a submissão dos demais, a que se curva até a Europa dita independente. A frustração maior para os profissionais da imprensa que obteram de Snowden informações valiosas, é o fato de que a fonte não recebeu a proteção que devia pelo valor da notícia que gerou. O jovem americano, na verdade, prestou um brilhante serviço aos governos no mundo e aos cidadãos que usam a web, porém, os poderes subservientes ao EUA o abandonaram.

A pergunta final foi: os jornalistas já têm como proteger os próximos Snowdens que poderão surgir no futuro?

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Os comentários estão encerrados.