‘Anything to say?’ exalta a coragem de Snowden, Assange e Manning

‘Ontem Agora’ de Helena Kolody
31 de março de 2016
La madre di ‘Jéssica’ è brava
3 de abril de 2016
Exibir tudo

A instalação ‘Anything to say’  (Nada a dizer?), do artista Davide Dormino, que denuncia a farsa e a vigilância global pela web, será exposta no Festival Internacional de Jornalismo, em Perugia, na Itália, de 6 a 10 de abril.

São três esculturas em bronze, em tamanho natural de Edward Snowden, Julian Assange e Chelsea Manning, todos em pé numa cadeira, e ao lado deles uma vazia. A instalação estará na Praça IV de novembro, no centro de Perugia, durante o festival.

Três homens revolucionaram o mundo contemporâneo por denunciarem a ação de governos poderosos, no controle de dados e informações sigilosas que incitam às guerras. 

Grande Teia

Pessoas que colocaram em jogo as suas carreiras e status profissional, mostraram ao mundo, sobretudo, que a “grande teia” não poupa ninguém no controle de dados e garantias de privacidade. Todos estão sujeitos e vulneráveis à espionagem cibernética nessa “aldeia global”.

A grande mentira sobre a liberdade de expressão na instalação do artista italiano é destacada pelas esculturas, embora aponte uma nova oportunidade para aqueles que desejam melhorar ou transformar o mundo, ao deixar um lugar ao lado.

A quarta cadeira é vazia e serve para convidar o público para ação, colocando-se ao lado das três figuras.

A obra está percorrendo a Europa e já passou por Berlim, Dresden, Genebra e Estrasburgo. Pela primeira vez chega à Itália e se apresenta em um dos mais conceituados festivais de jornalismo da atualidade, que reúne grandes nomes da imprensa mundial, com tradução simultânea e totalmente gratuito.

Uma palestra sobre o temaDa WikiLeaks a Snowden: proteggere le fonti nell’era della sorveglianza di massa será realizado no dia 8 de abril, com  Sarah HarrisonDavide DorminoJohn Goetzand, Stefania Maurizi.

Davide Dormino se inspirou no jornalista e apresentador Charles Glass, que crê no poder da arte pública.”A oportunidade que a arte dá de amadurecer dentro de si as questões e se transformar. A cadeira tem um duplo significado. Pode ser comoda, mas pode também ser um degrau para subir mais alto, para ter uma visão melhor e para aprender mais”.

Segundo Glass, todos três escolheram levantar-se sobre às cadeiras da coragem, apesar de estarem expostos, ameaçados e julgados. Alguns pensam que eles são traidores. Na história deles nada foi positivo. Por isso, é necessário ter coragem para agir, para estar em pé sobre a cadeira, acima de tudo porque dói.

Fonte: #ijf16

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Os comentários estão encerrados.