Unmistakable style and valuable art of Klimt
20 de janeiro de 2016
Simplesmente ser…
23 de janeiro de 2016
Exibir tudo

IMG_6776

Às vezes guardamos por anos um objeto material sem que tenha uma função verdadeiramente útil dentro de nossa vida.

Porém, o objeto em questão, por si só, conta uma história. É o caso de uma toalha semi-bordada por minha mãe, que representa a bandeira da rebeldia de uma mulher no passado. Então, as mulheres rebeldes do passado tinham uma maneira sutil de falar sobre o que não desejavam mais.

Vamos falar sobre o rococó da vovó que, para nossa família não é mais matéria, mas a memória daquilo que representa e seus significados dentro da nossa psique. Dessa forma tal objeto afetivo parece adquirir alma, denunciar um sacrifício ou representar um momento feliz.

Esse é caso de uma toalha de mesa da minha mãe, aliás, diga-se de passagem, uma toalha que ela carregou também por muitos anos no meio do seu enxoval de casamento. Essa afetividade pela tal peça foi transferida para minha filha Paula, que também a usou em sua casa. Mas quando decidiu mudar de cidade se desfez de quase tudo, surgiu a grande dúvida: o que fazer com a toalha…

Uso digno para toalha

Procuramos um uso digno dentro da família e não encontramos entre as netas, filhas ou cunhadas uma mesa da metragem igual da “dita cuja” .

A toalha é quadrada e pequena, de cor bege, com guirlandas de cachos de uvas, bordadas em rococó, nas quatro pontas, entremeadas com folhas do tipo comum, não a de parreira, bordadas em verde estridente no ponto meia e cheio, e finalizada com uma franja de crochê da mesma cor das uvas.O fio vermelho utilizado para bordar as uvas é em cor degradê para dar noção de sombra e luz.

Não podemos dizer que é uma toalha de extremo bom gosto e delicada, embora seja possível admitir que ela é original e faz “vista” quando colocada em uma mesa.

As cores estridentes das uvas e das folhas e o tecido ainda firme nem de longe demonstram os quase 76 anos de existência ( os produtos de antigamente eram sempre fabricados para chegar perto da eternidade).

Doar ou não doar, eis a questão! A resposta chegou quase que imediata…

– Nãooo!

Rebeldia

Seria um crime deixar o símbolo da inconsciente rebeldia de minha mãe contra a função que definia a mulher como “rainha do lar” e ser educada para isso, ser relegada à condição de entulho e fora de uso. Pudera, a pobrezinha foi obrigada a bordar a toalha quando tinha 10 anos, como tarefa de uma aula de trabalhos manuais no quarto ano primário – o referente hoje a quarta série do ensino fundamental.

É importante destacar que ela apenas começou o bordado escolar . A toalha encerrou o ano letivo inacabada. Mamãe depois disso nunca mais pegou naquela agulha, provavelmente lembrança torturante para ela.

Bordar com 10 anos de idade

A aborrecida tarefa de bordar perfeitos rococós aos 10 anos idade foi realizada numa guirlanda apenas e alguns cachos da segunda, e só. Foi dessa forma que fui apresentada à toalha, com o bastidor e os fios prontos para serem usados, pois minha mãe, num ataque de insensatez incluiu a toalha no seu enxoval de casamento. Provavelmente , tinha esperança de um dia, talvez, gostar de bordar. “É ponto rococó”, dizia ela com orgulho.

Desta forma, na minha adolescência, quando mamãe começou a tentar me educar para ser a rainha do lar, me deparei com a toalha inacabada, ainda com o bastidor e o fio colorido.Me dava até dó de ver a toalha esquecida dentro do cesto de bordar, sem utilidade.

Bordado perfeito

Vale destacar aqui, que eram poucos cachos de uvas bordados, mas o que estava feito, era perfeito, mais que perfeito, no direito e no avesso. Os bagos de uva pareciam saltar fora da toalha de tanto ponto em rococó.. as bolinhas eram cheias de nozinhos tão apertados um do lado do outro que pareciam uma coisa só. Uma simbiose de fios em alto relevo. Esse era o charme da toalha.

Mamãe não perdia a pose quando falava dela.

IMG_6780

De dar preguiça

– Bah… eu me enjoei de bordar e tinha preguiça. A professora era uma chata ( com certeza deu alguns puxões de orelha nela). Não podia deixar um fio solto por trás que era preciso desmanchar e começar tudo de novo. Calculem que a toalha já estava com uns 40 e poucos anos… Inacabada e ainda na esperança de ser bela e completa.

Já casada, lembrei da velha toalha e senti vontade usar a exótica peça na minha mesa nova. Neste momento, acreditei piamente que poderia me transformar numa mulher cheia de predicados domésticos e bordar os rococós.

“Não vai ser fácil”, disse mamãe. “Você não pode deixar espaço entre um rococó e outro. Porém, mais do que rápido empenhou-se na tarefa de me ensinar, entre risadinhas…. Acho que durante todos estes anos ela também alimentou a curiosidade de ver a toalha pronta.

“O ponto se faz com o enrolar do fio na agulha. Tem que ser 10 enroladinhas e depois enfia agulha no tecido,que resulta num nozinho. Assim, de nozinho em nozinho, um pertinho do outro, você preenche o espaço do bago da uva”,explicava ela. Veja bem, recomendava, “ o enroladinho tem que ser bem apertado e os pontos devem grudar um do lado do outro”.

Lá me entreguei ao deleite do bordado, evidentemente, deleite foi só no começo. Imaginem fazer mais de 100 enroladinhos num só bago de uva! A coisa não rende e o trabalho não aparece. Aí, impacientemente, comecei a espaçar os rococós. Minha guirlanda acabou rápido, mas o resultado… ohhh!

IMG_6779

Desastre

Que desastre! Nem se compara com os rococós da mamãe. Mas não deu outra, entendi porque minha mãe nunca mais pegou nesse bordado.

É um verdadeiro jogo de paciência. Aí cheguei a conclusão que não era trabalho para qualquer rainha do lar.

É para uma artista verdadeira criar e produzir efeitos com linha colorida.

Prima

Lembrei que minha prima tem esta habilidade. É uma verdadeira artista no bordado. Assim, para encurtar a história fui pedir socorro a prima e confessar a incompetência artística como bordadeira. Uma falta de jeito que passou de geração a geração.

Aí a toalha ficou pronta. Claro que não ficou nenhuma maravilha em matéria de bordado. Os perfeitos eram os da mamãe. A guirlanda magrinha e indecentes era a bordada pela filha. E outros rococós quase parecidos com o da mamãe eram da prima,incluindo o bico de crochê feito pela tia em torno da toalha.

Moral da história, é um pedaço de tecido trabalhado em bordado, de gosto duvidoso, porém para as mulheres da família diz muito mais: tem vida nas emoções embaraçadas, entremeadas nos rococós.

A senhora que começou esta história hoje está com 86 anos e sempre disse a suas filhas: mulher que fica só dentro de casa não é valorizada. Era o brado de revolta dela por uma situação que não conseguiu alcançar, ao menos as filhas não seriam iguais.

Hoje, depois de ter seguido o conselho de mamãe e saído pelo mundo afora realizando tarefas profissionais, conquistando minha independência e sendo valorizada dentro de casa, penso que nem 8 e nem 80.

É preciso achar o caminho do meio. Ser independente, profissional, assim como exercer a função de ‘rainha do lar’ com majestade.

Assim, a toalha com bordado de rococó da vovó vai permanecendo dentro da prateleira, sem uso, mas com tanta memória entremeada nas tramas de seu tecido.

 

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Os comentários estão encerrados.