Arte hoje é mercadoria e o culto ao capital fez desaparecer o papel do crítico

Seu Estefano
13 de setembro de 2015
“Malandra”, um espetáculo circense numa linguagem contemporânea
18 de setembro de 2015
Exibir tudo

 A arte hoje é tratada como mercadoria e parte de uma guerra que envolve cultura e entretenimento,o mainstream, os dominantes e os dominados.

Em debates sobre jornalismo cultural e quando o assunto é colocado em pauta, a constatação é de que o crítico perdeu a sua função de intermediar a apreciação de uma mostra ou obra de arte porque é tragado pelo sistema capitalista selvagem.

Falta críticos

O empobrecimento no campo da argumentação ocorre paradoxalmente num momento em que existe mais espaço para interagir e informar. A grande mídia brasileira se restringe a divulgar atividades de entretenimento – programação de shows, teatro, exposições –  e cada vez menos destaca a opinião de um crítico, pela qual é possível não só avaliar ou identificar dentro de um contexto a obra ou artista, assim como, de estabilizar, com base em um conhecimento teórico e cultural, a variedade das opiniões e as diferentes sensibilidades.

A falta de crítica na avaliação de um trabalho artístico, que cedeu espaço às necessidades de mercado e aos interesses econômicos, não é um fenômeno observado somente no Brasil.

Hoje é uma situação que afeta quase todo o mundo capitalista.

Na Itália, o berço das artes no Ocidente, o jornalista italiano e crítico de arte, Nicola Maggi, que vive hoje em Florença, confirma que a crítica de arte não existe mais. A matéria publicada originalmente no CollezionedaTiffany.com coloca claramente que o crítico de arte está extinto ou sem conteúdo teórico ou obrigado a se curvar ao que o mercado exige.

Eis o conteúdo traduzido da matéria:

“Há um ano, numa bela entrevista publicada na Revista Neuramagazine.com  por ocasião da inauguração da Arte Fiera, o colecionador Giorgio Fasol, destacou uma situação que está visível a todos, mas que poucos parecem ter coragem de denunciar de modo explícito: ‘Não existe mais crítica de arte hoje.

As críticas são ao máximo as escaramuças e os ressentimentos que um crítico diz ao outro ‘da próxima vez eu vou fazer você pagar’. Se a opinião de Fasol parece exagerada, vamos então percorrer as páginas culturais de qualquer de nossos jornais ou de uma revista do setor para confirmar o fato.

Excluindo as páginas da Reppubblica, com opiniões de Jean Clair , e ler os artigos dedicados a exposições dos mestres incontestáveis da arte moderna e contemporânea (pouco mais do que a História da Arte publicadas pela editora Bignami ) e resenhas de exposições de artistas que, neste momento, estão tendo algum sucesso no mercado que por trás têm uma galeria influente. Nada mais.

 E o pior é que as opiniões são muitas vezes o resultado de um copiar e colar dissimulados pela imprensa porque são escritas pelo escritório das galerias ou apresentações feitas pelo curador do momento, a nova figura dominante no Sistema Internacional de Arte Contemporânea de imprensa.

Com o resultado de que, no papel, tudo parece bonito e cada artista um talento. Mas que contribuição pode dar essa situação para o debate sobre a arte, divulgação e compreensão da arte contemporânea? A resposta é simples : nenhuma!

Classificar e dar votos

Como explica Demetrio Paparoni, de fato, o papel do crítico não é classificar gráficos de merecimento, dar votos e conselhos para quem deseja comprar, mas, sim, mover-se em paralelo com os artistas cujas ideias aprecia e também fazer suas escolhas formais, explicar a obra, quando e onde acontece.

Somente desta forma, a crítica pode oferecer uma contribuição fundamental para o debate aberto sobre arte, protegendo-a da ação corrosiva de seguidores nostálgicos. De beleza, que hoje em dia se produz em demasia, a tarefa crítica é esclarecer onde elas se escondem, como e onde ocorrem, o que as torna visível ou a verdade oculta.

“Não é só isso, a crítica também tem a tarefa de trazer à tona, em sua análise da obra de um artista, as referências à história da arte, com destaque para os elementos que são inovadoras e aqueles que, no entanto, se ligam à tradição mais ou menos recente.

Hoje ele é bom quando nos confrontamos com escritos que são meros exercícios de estilo, um exemplo de texto criativo – normalmente árduo de compreender – que tem somente o efeito de relegar a arte contemporânea ao mundo dos adeptos aos trabalhos, questionando a credibilidade de sua mensagem social.

Declínio

Simplificando, com o declínio da crítica – começou na década de oitenta – não cumpriu o papel de ‘mediação cultural’, que é fundamental para a compreensão (entender) para o pleno desenvolvimento da arte do nosso  tempo. Como se isso não bastasse, com o desaparecimento das páginas de revistas e jornais que mantinham os críticos militantes, que colocando em jogo contribuíam para o surgimento de novos talentos, não foi possível conseguir para o colecionador pontos de referência para descobrir o que existe ou o que está surgindo, mas também para os artistas que  nas palavras de um crítico poderiam encontrar indicações importantes sobre como crescer e ter sucesso.

Com o colapso das ideologias, o fim do movimento de vanguarda, a globalização e o afastamento de todos os tipos de discursos e de expressão artística, o debate intelectual enfraqueceu, chegando à situação que eu descrevi no início e que, de fato, coincide com uma abdicação total de críticas e uma consequente aceitação incondicional por parte do mundo da arte, de qualquer tipo de obra (pelo menos aparentemente) e a necessidade de um julgamento de mérito: basta funções e em particular, que as funções sejam para o mercado.

Aqui que se encaixa, muitas vezes substituindo a do crítico, a figura do curador, isto é, nas palavras de Mark Meneguzzo , aquele que é experiente, que sabe como organizar, mas acima de tudo, é um testemunho do existente e do presente, sem querer ir mais longe. “

Curador substitui o papel do crítico

Pessoalmente não tenho nada contra a figura do curador, mas a questão que opino ao fato que ele possa substituir o papel do crítico. O máximo deveria ser considerada uma figura complementar. Isso é, independentes e de ou relacionados com as instituições de arte, de fato, o curador é frequentemente condicionado – num modo mais ou menos consciente – às escolhas  daqueles que são os poderes do Sistema de Arte, em particular, do mercado.

E que, dada a importância que obteve a sua figura a nível internacional, repercute também sobre os componentes  acima de qualquer suspeita do sistema, tais como os museus de arte contemporânea.Tente dar uma olhada nos resultados de leilões nos últimos anos e compará-los com as escolhas feitas por algumas das instituições de arte líderes no mundo em termos de exposições temporárias e você vai entender o que quero dizer.

Mudanças

O mundo está mudando cada vez mais rapidamente e como acontece com outras indústrias, a arte está em um estágio intermediário entre antes e depois em busca de seu novo equilíbrio. E a incerteza em que vivemos é certamente ligada a esta situação. Mas se você pensa que é ser avesso aos costumes atuais, tentar desfazer completamente as mudanças que estão ocorrendo, eu por outro lado, acredito que é vital, embora talvez irrealista. E nesse sentido, eu acho que a “reabilitação” da crítica de arte é essencial.

Novas ideias

Basta pegar um debate crítico saudável, com seus contrastes e suas batalhas e você pode, de fato, fazer emergir dele novas ideias que são selecionadas com critérios diversos daqueles ditados pelo mercado, das modas do momento. Só através de um confronto aberto entre os diferentes pontos de vista é possível revitalizar o mundo da arte – especialmente a ocidental – o que parece cada vez mais estagnado e homologado do ponto de vista da linguagem, nos quais os artistas da velha guarda e os talentos emergentes parecem fazer um pouco as mesmas coisas.

Talvez, a nível internacional, isso pode ser pouco utópico, mas se começarmos a fazer isso já na Itália, provavelmente poderemos dar um impulso útil para a nossa produção artística, por meio de um confronto direto, que não me parece que tenha nada de menos de outras nações'”.

Olhar Crítico

Nicola Maggi está certo quando pontua que a ausência da crítica é uma realidade. Além de alertar para o risco de confundir o papel do curador com o do crítico de arte. O curador está sempre preso ao artista, a obra, ou à instituição que ele promove ou faz a curadoria – ao qual é o tutor.

O grande risco, neste caso, é que haja uma prostituição de ideias que poderá interferir no livre debate sobre arte. A jornalista brasileira e pesquisadora, Paula Viviane Ramos, num texto publicado em 2008, diz que falar sobre ausência de crítica de arte no Brasil já se transformou num clichê, embora se permite fazer “algumas breves reflexões sobre o morno, para não dizer ausente panorama crítico na mídia contemporânea”.

Papel do curador

A pesquisadora também acentua a diferença entre o papel do curador e do crítico. “Trata-se, de fato, de uma nova função, articulada à lógica institucional das artes visuais na contemporaneidade e que difere daquela do crítico de antigamente, respaldado no discurso, na mediação”. (panoramacritico.com)

Certamente, o jornalista italiano tem razão em propor como essencial, a reabilitação da crítica de arte.

Se na Europa a situação é urgente no Brasil é uma necessidade para que o país possa ser salvo e resgatado em sua cultura artística. A participação dele nas duas últimas Bienais de Veneza são um exemplo de estagnação. O pavilhão brasileiro é sempre nostálgico (sempre artistas já renomadas, Ligia Clark este ano) e pouco aproveitado com grandes talentos que existem em nosso país.

Somente a atitude crítica dá elementos para julgar e apreciar uma obra de arte e consequentemente a arte, como segmento da cultura será capaz de provocar uma transformação.

Salvo alguns cadernos especializados em cultura, como o Ilustríssima, da Folha de São Paulo, a revista Bravo, e outros poucos, a arte não tem espaço na grande mídia e como já disse uma vez o crítico de arte e professor e uma vez organizador da Bienal de São Paulo, Agnaldo Farias, a arte é considerada no Brasil o patinho feio das Ciências Humanas e o artista é sempre desprestigiado.

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.