‘Cade la pioggia forte dentro di me’
11 de julho de 2015
Leonardo Di Caprio poderá doar obra de arte sobre meio ambiente ao LACMA
15 de julho de 2015
Exibir tudo

rato

Por Luiz Ernesto Wanke – A noite estava terrível de fria e o preso não conseguia dormir porque seus pensamentos estavam bem longe. Arcides – seu nome – se revirava na cama com saudades da liberdade. De madrugada, com o cansaço finalmente chegando, conseguiu se aquietar e estava fechando os olhos quando sentiu arranharem seu calcanhar. Pulou da cama e deu de cara com um ratão encarando-o.

“ – Seu filho de uma puta!” gritou procurando o sapato para tentar acertar uma pancada na cabeça do bicho.

O rato nem se assustou com o escândalo do Arcides. Só fez andar mais um pouco e se acomodar na esquina do ‘boi’ (banheiro). Lambeu uns respingos e ficou cheirando o chão molhado.

“ – Vou lhe matar, seu cão danado!” gritou Arcides.

O rato só levantou a cabeça. Parecia que não tinha medo.

“ – Desgraçado, corra, vaza!”

Nada.

O rato estava impassível para sua surpresa. Internamente divagou se aquilo estava acontecendo.

“ – Está com fome?”

Estendeu o braço por cima do companheiro que dormia e pegou sua calça pendurada do outro lado. Afundou a mão no bolso e tirou um pão meio duro. Arrancou um naco e jogou-o para o rato.

“ – Coma e se mande! Quero dormir!”

Enquanto o rato ruía o pão, Nhô Arcides, pensativo, ficou observando-o. Não é que aquele bicho podia ser seu parceiro? Ora, a cadeia era lugar de gente, mas também de ratos! Só que em comunidades separadas: enquanto uns se recolhiam, outros dominavam o pátio. A diferença é que na vez dos ratos não tinha guardas que os controlassem. Pensando bem, tinha outra: enquanto queria muito ir embora, os ratos adoravam o lugar! Lá em baixo, corriam para todos os lados, fuçavam os restos de comida abandonadas pelos presos e até invadiam a cozinha pulando de panela em panela numa festa barulhenta. Ora, cadeia é o lugar onde não falta o que comer e ali nenhum rato passa fome!

Nhô Arcides deitou-se na cama e ficou lá pensativo. Lembrou-se quando fazia ‘pescaria’ de ratos. Era assim: amarrava na ponta de uma cordinha um resto de carne ou pão, algo que um rato pudesse engolir de vez. Pela janela do cubículo soltava a linha e lá em baixo os bichos se amontoavam disputando o naco. Na pressa, um deles engolia o pedaço inteiro e aí era ‘pescado’.

Mas para que serve um rato? Ora, os presos da galeria faziam um jogo, apostavam dinheiro e soltavam o rato no corredor do corredor. Aí aquela ala virava um inferno tal a gritaria tentando afugenta-lo. Ele, desorientado, geralmente entrava numa das celas e era morto com um chute. Quem conseguia, raspava a bolada.

Naquela noite, Arcides dormiu meio atravessado na cama. Nem viu o rato sair.

Voltando toda a noite, assim a ratazana foi se ambientando na cela. Claro, ia buscar seu direito, o quinhão de comida e tinha até uma latinha sua para o alimento. Acabou ficando tão íntimo que Arcides fez uma caixinha de madeira para leva-lo para o trabalho na cantina da cadeia. Ninguém botava a mão no Xororó, seu novo nome, por causa do topetinho arrepiado.

Com o tempo o rato passou a acompanha-lo ao seu lado, tal como um cachorrinho.

Mas um dia Arcides se atrasou e teve que ir sozinho preparar o café para os companheiros. Sem problemas, porque Xororó sabia o caminho.

E lá foi o rato sozinho atrás do dono, balançando as anquinhas do andar no chão liso e encerado do piso. Mas, azar, um guarda estranhou aquele rato nojento no meio do corredor, andando tranquilamente, como se estivesse desfilando numa passarela.

Não teve dúvidas: correu e alcançou o bicho. O animal só fez olha-lo curioso, não parou nem fugiu. Era a sua personalidade…  ‘O que será que este cara quer?’ deve ter pensado porque já estava acostumado com gente.

Então o guarda deu-lhe uma botinada violenta e fatal, com tanta força que jogou  Xororó contra a parede do corredor. Depois, recolheu o rato morto pelo rabo e sumiu.

Nhô Arcides sentiu a falta do amigo. De noite ficava horas esperando sua volta. Da cela olhava aquela ratarada zanzando no pátio na esperança de rever o amigo tão querido. Mas não tinha como. Mudou seu comportamento porque nas folgas ia ao pátio procurar Xororó, de buraco em buraco. Também passou a ser defensor intransigente dos animais… Aí de quem matasse uma mosca ou uma barata na sua frente! E os defendiam raivoso:

“- Gostar de cachorrinhos e gatinhos é fácil. Quero ver amar este outro tipo de animal que chamam de nojentos. Afinal eles também têm direito à vida!”

Sem nenhum sucesso, procurava uma explicação para o sumiço. E nestes casos surgem palpiteiros criando teses e mais teses. Um amigo contou-lhe que corria o boato que Xororó tinha sido vítima de um daqueles jogos de perseguição da galeria, numa aposta da ala dos presos assassinos… Perguntando aqui e ali, também deu em nada.

Enfim, o tempo foi mitigando a lembrança do rato amigo.

Quem me contou esta história jura que toda a vez que alguém falava do Xororó para provoca-lo, o cantineiro ouvia calado. Quando insistam, ele se lamentava: ou se julgava abandonado pelo amigo ou se culpava pelo seu desaparecimento.

E quando aquela  conversa voltava para as lembranças do Xororó, Arcides sempre se virava tentando disfarçar uma lágrima furtiva.

Do livro inédito ‘Pobrete mas Alegrete’

Comentários Facebook

comentarios

Luiz Ernesto Wanke
Luiz Ernesto Wanke
Luiz Ernesto Wanke ( in memorian) foi professor e escritor. Autor de diversos livros, sobretudo de História. Destaca-se uma importante pesquisa feita junto com seu filho, Marcos Luiz Wanke, também professor, sobre a entrada de chineses na América, no século V d.C. relatada no livro Brasil Chinês. Gostou sempre de escrever contos e crônicas sobre fatos da vida e suas experiências, entre elas um achado científico sobre Física publicado nesse site sob o título - "Professor afirma que existe vida além da Terra".

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.