‘O céu pelo avesso’ revela as muitas mulheres que habitam em uma

Pietà e a perfeição divina da morte e da vida
5 de junho de 2015
NOSSA CAPITAL MUNDIAL
12 de junho de 2015
Exibir tudo

Memórias, objetos e identidades do passado e do presente tecem as tramas do universo feminino  e revelam as diversas mulheres que habitam em uma.

Assim é a mostra “O céu pelo avesso”, de duas artistas plásticas paranaenses, Marilia Diaz e Consuelo Schlichta. O espectador irá também se identificar com todas estas mulheres inseridas em uma só alma, seja ele homem ou mulher.

IMG_3442

Museu da Universidade Federal do Paraná. Foto por Mari Weigert

O homem encontrará  a figura das mãe, irmã, namorada,no entrelaçar destas memórias. A espectadora mulher, por outro lado,se identificará com uma das várias mulheres que se constroem a cada dia. PanHoramarte pontua algumas referências para que o leitor possa absorver este universo numa caminhada online pela mostra, apresentada fisicamente no Museu da Universidade Federal do Paraná, em Curitiba, até o dia 30 de junho.

IMG_3485

Transparência do voal que separa os territórios do universo feminino…Foto por Mari Weigert

Sagrado e frágil

Ao adentrar nela é preciso estar preparado para penetrar num território sagrado e frágil, em que a transparência de um tecido em voal separa delicadamente as fronteiras da matéria e psique. “São 2 mulheres, e a força de ser 2 traz à luz outra identidade.” As artistas, ambas professoras do Departamento de Artes da UFPR, não esquecem da didática como curadoras da própria mostra,quando fazem um percurso leve de suas obras ao espectador (a), que, talvez, na maioria dos casos, consegue se reconhecer em muitos conteúdos.

IMG_3472

Livro de 59 páginas, dois, representando a idade das artistas, com fragmentos de poesias, desenhos, fotografias, colagens. Foto por Mari Weigert

Rotinas

“As lembranças impregnadas da rotina do dia a dia, os gestos e os fazeres que se recomeça diuturnamente; os objetos reveladores do ontem, as fotografias, algumas ampliadas, outras minúsculas, os crochês, os bordados, a toalha da mesa da cozinha e os guardanapos bordados em 1941; enfim, tudo se guardou”- anuncia o texto de abertura.

IMG_3492

As Guardiãs da Existência. Foto por Mari Weigert

Uma teia tece as “Guardiãs da Existência” – etiquetas com nomes de mulheres da família e próximas das artistas, referências no campos das artes visuais, literatura e história – permite, talvez, iniciar o roteiro. As bacias de alumínio com sal, pedras e camélias colhidas no inverno  manifestam os 7 de corpos de escape. “São 7 corpos de escape, 7 corpos de fronteira que expõem as fragilidades, mas também o empoderamento das mulheres do presente, do passado e do futuro, que mal conseguimos esperar. São 7 vezes 7 mulheres impregnadas de nascimento e morte e que vêem tão longe”.

Os corpos de escape…

IMG_3453

Corpos das artistas em cerâmica, latões…. Foto por Mari Weigert

Os sete corpos de escape, compostos por panos de algodão, com crochês, bordados e tudo mais…
IMG_3448

Panos de algodão, com bordados e crochê, acessórios diversos… Foto por Mari Weigert

Toalhas e guardanapos de mesa, bordados pela mãe da artista em 1941…

IMG_3461

IMG_3466

Sobre todas que habitam em mim.Livros com 59 páginas representando a idade das artistas, fragmentos, lembranças….

IMG_3469IMG_3471 IMG_3473

“Uma delas vale-se “de temperos como o açafrão, alecrim e manjerona”, conhece “os segredos do cardamomo e usou-os em ocasiões um pouco mais solenes”.1 A outra se encanta com a caligrafia, beira o exagero, interessa-se por livros, flores secas, toda sorte de raridades. A terceira, não se ilude, nasce e morre todos os 7 dias da semana, tem adoração por Consuelo e Marília. E, muitas vezes, sem esgotar o que de humano carrega, no silêncio do quarto se pergunta: minha vida voltou a ser minha?”, assim se definem as mulheres que habitam em uma.

IMG_3440

As artistas Marilia Diaz e Consuelo Schlichta revelam a alma feminina em suas obras e objetos de recordações, relembram que uma mulher é a construção de várias identidades e que elas se constroem e se destroem todos os dias, para compor uma em seus diversos papéis, mães, filhas, amantes, esposas, profissionais…. .

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.