Moda do mosaico tornou-se tradição em Monreale

A ‘alma’ das coisas
7 de maio de 2015
Notas sobre Charles Bukowski: “A vida é uma aposta perdida”
9 de maio de 2015
Exibir tudo

Os mosaicos da Catedral de Monraele são magníficos

A pequena cidade de Monreale, na região de Palermo, na Sicília, é famosa e conhecida no mundo pela monumental Catedral construída no século XII, por vontade do rei normando. A população não chega a 40 mil habitantes. Grande parte dela mantém viva a tradição do trabalho artístico em mosaico, a mesma arte que reveste os oito mil metros quadrados do interior da Catedral e extasia quem visita o local.

out2011_n3_3

Comércio de arte em mosaico da família Parisi. Foto por Mari Weigert.

Arte que veio do Oriente

Nas ruelas antigas, em torno da igreja, diversas lojas e artesãos trabalham à vista do público difundindo a arte trazida do Oriente. Neste grupo de comerciantes encontra-se a loja dos Parisi. Monreale também possui uma escola estatal de arte (fundada em 1960), que surgiu da necessidade de formar profissionais na área. Isso porque foi observado que a maioria dos “souvenirs” vendidos aos turistas, na época, não era de artistas monrealenses.

out2011_n3_2

“Era inconcebível que os mosaicos e cerâmicas compradas por turistas não fossem produções locais, assim como era preciso recorrer a artistas de fora para realizar obras de restaurações na catedral, enquanto num passado tivemos artistas que brilharam como Pietro Oddo, no século XIV, Pietro Novelli, em 1.600, e os irmãos Zerbo, no século XIX e os Matranga, no início do século XX”, registra o blog de cultura de Monreale, para justificar a necessidade fundar uma escola pública de arte.

Monreale5

A arte do mosaico, conhecida como Arte Bizantina, foi difundida em diversos países europeus no início do século XII por causa da conquista do Oriente pelo império romano e sua instalação em Constantinopla. Esta arte chegou à Europa pelo Sul da Itália. Possui uma estética fundamentada na harmonia das composições, na forma, na cor, no espaço, na luz irreal, que devia criar uma sensação de infinito e de eterno, para estimular a abstração. A técnica era muito utilizada nas antigas tradições artísticas orientais.

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.