Cores dos Afrescos de Vila Lívia sobreviveram à escuridão

Uma mundo feito de livros…
3 de maio de 2015
A ‘alma’ das coisas
7 de maio de 2015
Exibir tudo

jun2011_n3_2

A sensação de que o tempo não passou e o império romano se movimenta e respira em todos os cantos de Roma se acentua quanto visitamos os sítios arqueológicos e as obras de arte da época, espalhados pela “cidade eterna”. O Museu Nacional Romano é um dos locais que exibe exemplos célebres da arte romana, que datam dos últimos anos a.C e do primeiro século d.C, com destaque aos magníficos afrescos encontrados num quarto subterrâneo, nas escavações do sítio arqueológico da Villa Livia, que sobreviveram à escuridão e foram transferidos para o Museu, onde hoje encantam o visitante pelo colorido vibrante e os detalhes da poética pictórica.

jun2011_n3_11

Os afrescos estão expostos em uma das salas do Palazzo Massimo, sede do museu, e são notáveis por ser um dos exemplos mais conservados de como era um jardim romano, datado provavelmente dos anos 20 a 40 a.C. Estudos apontam como um “ninfeo”, lugar sagrado, fonte, bosque, santuário, da época helenística e romana, criado por Livia Drusilla, a terceira mulher do imperador Augusto. Pouco se sabe sobre estes afrescos, cuja sala, que parecia dar impressão de caverna, tenha sido utilizada como algum refúgio fresco durante o calor do verão. O gesso foi pintado em cima de uma parede de azulejos dispostos em cinco linhas, destacado da parede para criar uma cavidade que isola da umidade.

jun2011_n3_3

O único acesso ao local era por uma escada e a sala não possuía janelas, talvez uma claraboia. Poderia ser um jardim de inverno que foi encontrado intocado nas escavações descobertas em 1863. A falta de luz e ar no ambiente subterrâneo contrastava ao tema da decoração pictórica, que se fixa na representação simbólica de um amplo jardim, com grande variedade de espécies animais e vegetais pintadas em todos os seus detalhes.

A pintura deste jardim foi elaborada com simetria, perspicácia e com uma gama de sugestões espaciais em função dos elementos que revelam movimento, como os pássaros voando e os ramos inclinados em razão do vento. As pesquisas feitas sobre o trabalho registraram 23 espécies vegetais e mais de 60 espécies de aves. Villa Lívia, ou Villa Primaporta de Roma, correspondia à casa de Lívia Drusilla, a esposa de Augusto, e segundo uma lenda poética, a vila foi fundada por causa de uma águia que teria feito cair na barriga de Lívia uma galinha branca com um ramo de louro no bico. Aconselhada por adivinhos, a imperatriz criou galinhas brancas em sua casa e plantou o ramo em um bosque que se transformou em uma árvore, da qual o imperador colhia sempre uma folha de louro para acompanhá-lo em suas batalhas, como bom presságio.

jun2011_n3_4

Palacio Massimo

O Palazzo Massimo foi construído no século XIX e hoje ele faz parte do Museu Nacional Romano. Está localizado próximo da Estação Termini e da Therme di Diocleziano, que também é um museu. As obras de arte e os achados arqueológicos estão distribuídos nos três andares do edifício. No piso térreo, o museu mantém uma seção de Numismática que possui exemplos fascinantes de moedas e sistemas monetários a partir de suas origens, no século VIII a.C, até a introdução do euro. Incluem-se também pedras preciosas, jóias da coleção dos Savoia e ouriversaria que serviram como elementos funerários.

A coleção de obras de arte, que abrange o primeiro e segundo andares do palácio, inclui muitos exemplos célebres da arte romana que data do final do período republicano até o fim do Império Romano, bem como várias obras de origem grega descobertas durante escavações nos Jardins de Salústio. No piso térreo, uma rica exposição de retratos, reforçada por mosaicos, esculturas e inscrições, documentos de duas eras que revolucionou a sociedade romana, que ocorreu após a conquista da Grécia, e durante a transformação do Estado Romano de República Romana a um grande império Mediterrâneo.

No primeiro andar, várias citações conhecidas retiradas de textos antigos descrevem o gosto romano para determinados estilos e escolas de arte. Isso ajuda o espectador a compreender, acima de tudo, o projeto e decoração de grandes complexos de edifícios imperiais romano, como a Villa de Adriano e a Casa Dourada de Nero. O amor do romano por bens de luxo projetado para evocar o esplendor lendário dos tribunais helenísticos é demonstrado pela coleção de ornamentos de bronze de barcaças mantidos no Lago perto Nemi, próximo a Roma, para o prazer do Imperador Calígula em tempos antigos e escavados a partir das profundidades do lago no início século 20.

Outros objetos únicos, incluindo o Sarcófago Portonaccio, o Sarcófago das Musas e uma extensa série de retratos de família de várias dinastias imperiais, revelam as alterações marcadas no contexto e estilo romano de produção artística durante o final do período da antiguidade, espelhando o estado perturbado do império durante a sua morte lenta. O segundo andar do palácio está reservado para a exposição de esculturas romanas importantes, mosaicos e fotos de antigas vilas de Roma e seus arredores. Merece menção especial nesta coleção, os afrescos e projetos de estuque de uma vila romana encontrada nos terrenos da Villa Farnesina, na via Lungara. Estes são completos exemplos do sabor refinado e clássico da época de Augusto (começo do século I d.C).

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.