Por que Mafalda agrada todas as idades

As inquietações da Mafalda não perderam a atualidade 50 anos depois
2 de março de 2015
Filha de artista aponta com o dedo em riste para Damien Hirst
6 de março de 2015
Exibir tudo

A simpática Mafalda, inquiridora e crítica, criada pelo cartunista argentino Quino, em 1964, permanece no imaginário das pessoas há 50 anos. Por que?

É com um sorriso nos lábios que os adultos, principalmente os que nasceram nas décadas de 60 e 70,  se referem a Mafalda e relembram as deduções lógicas  da menina que também encanta crianças, talvez, por ser singela e ter a leveza de um desenho de traços simples , em preto e branco.

IMG_3038

Não perdeu a atualidade

Porque a personagem faz indagações e tem inquietudes em relação ao mundo que coincidem com os sentimentos da maioria das pessoas. Nós nos identificamos com a Mafalda e suas críticas, que com suas tiradas inteligentes manifesta com humor muitas questões que a nos incomoda, como problemas sociais, ambientais e políticos. A Mafalda somos nós.

IMG_3118

Quino foi genial em criá-la nos anos de chumbo. Num período em que a Cortina de Ferro e os EUA estavam se digladiando para mostrar quem tinha mais poder. O comunismo cinzento e a democracia capitalista e colorida. Assim que pintavam o cenário do mundo, na época.Num tempo em que a maioria dos países das Américas, tanto Central e quanto do Sul estavam subjugadas a um ditador ou nas mãos de militares.

Mafalda estréia oficialmente na história em quadrinhos em setembro de 1964. Nesta época apareceram apenas a Mafalda e seus pais.Em 1965 é incorporado Manoelito – Manoel Goreiro. Em 6 de junho de 1965 estréia Susanita,em 1968, nasceu Guille, seu irmão e por último se incorpora Libertad.Em junho de 1973, Quino faz com que os personagens se despeçam dos leitores.

IMG_3076

IMG_3102

IMG_3084

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.