Leonardo Boff

Sou 'fã de carteirinha' de Leonardo Boff há muitos anos. Suas palavras são bálsamo e conjugam o verbo esperançar de Paulo Freire, embora enérgicas como de um professor que exalta a importância da solidariedade e da sintonia do homem com a natureza.

Boff o teólogo, filósofo e escritor, é acima de tudo um dos pensadores vivos brasileiros mais respeitados e reconhecido internacionalmente, que tem em sua trajetória de vida fatos importantes sobre a luta política, social e ambiental dos últimos 50 anos no Brasil. Um intelectual que é cultura viva e suas palavras deixam o ouvinte em 'estado de graça' por mostrarem também que é possível achar uma luz no fim do túnel.

Independente da religião católica que segue e professa, mesmo depois de ter deixado o sacerdócio da Ordem Franciscana em 1992, a linguagem de Boff é universal e ecumênica quando fala pela poética da espiritualidade atingindo o coração das pessoas. 

Talvez porque esteve ao lado dos pobres e das minorias e usou sempre seu conhecimento para defender com coragem e indignação as injustiças sociais. 

Tal é a força de suas ideias ligadas a Teologia da Libertação apresentadas no Livro:Igreja: Carisma e Poder, que em 1984 foi submetido a um processo pela Sagrada Congregação para a Defesa das Fé, ex Santo Ofício, no Vaticano.

Esse processo lhe rendeu uma condenação em 1985 com a sentença de manter-se em “silencio obsequioso” por um ano, quando foi deposto de todas as suas funções editoriais e de magistério no campo religioso. Fonte: Leonardo Boff

Desta vez, ouvi Leonardo Boff no encontro online dos Estados Gerais da Cultura e mais uma vez constatei que é um grande mestre e que precisamos assimilar lentamente, em pequenos goles, me perdoem a metáfora, para gravarmos para sempre em nossa mente o que ele transmite com sabedoria.

Como uma insistente e teimosa defensora das artes e da cultura como ferramentas de transformação social, aplaudi entusiasmada o raciocínio de Boff sobre o homem como ser cultural.

 É por isso que os governos autoritários, como primeira medida para enfraquecer o poder que emana do povo, anulam e destroem as raizes culturais e as manifestações artísticas.

 

foto do encontro, via Estados Gerais da Cutlura
Carybé - foto via acervo Mari Weigert

“Cultura é vida! Não existe o ser humano natural. Todo ser humano é um ser cultural. (…) Nós temos que criar continuamente, trabalhar com a natureza e conosco mesmo, para poder sobreviver, para garantir a vida (…) A cultura tem a mesma extensão que tem a vida humana. Não é uma coisa congelada. A cultura está sempre sendo feita e refeita assim como é a vida. (…).

Para o leitor entender melhor o que  Boff quis dizer vamos tentar resumir. Ele explica que a natureza humana necessita desenvolver-se num ambiente, no qual estabelece modelos relativos a hábitos, costumes e habilidades que se caracterizam como cultura. Um povo tem sua própria cultura – alimentos, música, literatura, danças, arquitetura, arte – que se renovam e se recriam a todo o momento.  Boff vê a cultura brasileira de uma forma muito didática que vale reproduzir porque ele separa algumas características culturais que ao longo da história revelaram o perfil do nosso povo: cultura da dominação e da imitação; cultura da resistência (quilombolas são exemplo contra colonização escravocrata); cultura da libertação ( que insere os movimentos sociais);  cultura da refundação do Brasil (predomina prolongar a dependência, considerando que o país é ainda uma empresa multinacional e cita alguns nomes importantes desenvolveram novas ideologias com livros fundamentais para “pensar o Brasil a partir de nós mesmos), cultura genuína, na sua amplitude como se manifesta em suas amplas dimensões (cada região brasileira cria a sua própria identidade).

Recomendo ao leitor assistir o vídeo  neste link  Estados Gerais da Cultura e aproveitar essa aula sobre a identidade cultural brasileira, assim como a quem tiver interesse visitar o site de Leonardo Boff que está repleto de artigos que nos fazem refletir sobre assuntos da atualidade.  

 “Vamos deixar que a esperança aflore para inaugurarmos um mundo melhor daquele que deixamos para trás”. Leonardo Boff

24 de fevereiro de 2021

Escute Leonardo Boff para expansão da mente

Sou ‘fã de carteirinha’ de Leonardo Boff há muitos anos. Suas palavras são bálsamo e conjugam o verbo esperançar de Paulo Freire, embora enérgicas como de […]