Novos cursos online de arte no MoMA
14 de abril de 2020
Diálogos com a água
30 de abril de 2020
Exibir tudo

Um olhar subjetivo que ultrapassa o objeto em si, que o transcende para captar novos significados, para atingir novas dimensões de beleza e graça, onde a realidade e a fantasia se misturam.

As crianças, na idade mais tenra, possuem o olhar de fantasia quase em termos absolutos. Mais tarde, o processo ensino/aprendizagem e outros fatores, se encarrega de subtrair dos pequenos esse componente mágico, conduzindo-os aos territórios da racionalidade.

Mas alguns resistem, e pela vida afora, carregam ao menos parte desse encantamento primevo. Os artistas nascem daí, dessa resistência, embora nem todos os que resistem sejam artistas.

Nota da editoria:  O  holandês Maurits Cornelis Escher (1898-1972)  merece destaque, sobretudo pela obra O Olho Mágico,  porque uniu arte e ciência. De muitas obras que desenvolveu, verdadeiros desafios à lógica, Escher mostrou as infinitas possibilidades do que significa o processo de imaginação e criatividade. O desenho está sobre uma superfície plana e é refletido em um espelho que se encontra em um ângulo de aproximadamente 75º do desenho. Sobre a pupila está um objeto em forma de cone que quando refletido no espelho reproduz a imagem de uma caveira. O olho mágico de Escher pode ter sido mais uma das várias obras que simplesmente impressiona com suas façanhas de ilusão de ótica.

Comentários Facebook

comentarios

Luiz Manfredini
Luiz Manfredini
Luiz Manfredini é jornalista e escritor em Curitiba. Além de As moças de Minas e Memória de Neblina, publicou o romance Retrato no entardecer de agosto e a biografia A pulsão pela escrita. Trabalhou em O Estado de S. Paulo, Jornal do Brasil e revista ISTOÉ, entre outros órgãos de imprensa. É colunista do portal Vermelho e membro do Conselho Editorial da revista Princípios, editada em São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *