A lenda da capela segundo um bugre. Transcrito por Sebastião Paraná – 1899
28 de dezembro de 2015
Fazer o bem que mal tem
30 de dezembro de 2015
Exibir tudo

http://nepo.com.br/2013/11/18/o-aparato-de-tomada-de-decisoes/

Já sei que esse título chega a ser duvidoso de tão perfeito. Parece tão conciso, tão quadrado, tão medido, como se no mundo existisse duas barras chocolate: a negra ou a branca. Você só tem que escolher qual você gosta mais. Quando você é criança você quer as duas, e teus pais insistem que você tem que decidir por uma. Você segue indeciso que quer as duas, afinal você gosta das duas. O chocolate negro é tão bom como o branco. Porque eu não posso ter os dois. E teus pais explicam que os dois não é possível. Você tem que escolher. Você não se decide e teus pais aí então entram com a ameaça:

– Você vai acabar sem nenhuma!

Quantas situações como essa vivenciamos ao longo da vida? Quando a gente pensa dá até vontade de voltar no tempo. Ai se as escolhas na vida fossem tão fáceis como escolher entre o chocolate preto ou branco.

Comecei a me dar conta dos pesos das decisões quando sai de casa. Até a Universidade realmente as decisões não foram algo que me custasse muito. Sempre fui muito segura do que eu queria e muito honesta comigo mesma sobre isso. Tomava as decisões sem muitas dificuldades. Até na hora mais complicada da adolescência, o de escolher as profissões tive claro que priorizava o jornalismo sobre o ballet clássico.

Até hoje não questiono sobre essa decisão e se o faço, não é com remorso ou arrependimento. No entanto, entendi que quando saí de casa, cada decisão tinha uma peso maior sobre o meu futuro ou a minha vida. Ainda lembro quando decidi não retornar ao Brasil e estender meu visto por mais um ano na Inglaterra. Passei semanas pensando: às vezes decidia voltar, às vezes ficar. Não tinha certeza sobre nada e me causava dias e noites de ansiedade pensar em ir ou voltar.

Outras das decisões que me custou foi quando tinha que decidir sobre mudar de trabalho: o que eu tinha me oferecia muitas vantagens, o outro crescimento profissional, aprendizado, melhor salário mas também mais horas. Decisões: é um toma lá, da cá.

Eu sei, é uma angústia porque tudo que, na verdade, não custa tomar uma decisão é porque a decisão já está tomada. Agora quando entra em jogo vantagens e desvantagens, medo, mudança, expectativas e possíveis decepções, aí o bicho pega.

Foi lendo Martha Medeiros outro dia que me dei conta que o que me aflige, é o que aflige a 99,9% da população.   Todo mundo tem medo que a decisão que toma seja a errada: e isso só acontece porque somos humanos. Só nos tornamos adultos, ou pelo menos nos damos conta da nossa maturidade, quando a gente perde o medo de errar.

Escolher errado todo mundo vai fazer: saber redirecionar suas escolhas para que elas saiam mais ou menos como o esperado não é todo mundo que vai fazer. Por isso muita gente tem medo da mudança. A mudança é escolha, é crescimento, é aprendizagem. Parafraseando Martha Medeiros, “não somos apenas a somas das nossas escolhas, mas também o produto das nossas renúncias”. Crescer é tomar decisões e viver em paz com a dúvida.

O que não dá é idealizar aquilo que não aconteceu. Ou tentar decidir de forma precipitada pra se livrar do problema. Buscar certezas talvez seja o maior erro de ser humano: porque certeza absoluta só temos da morte. E mudar nem sempre tem porque ser mal. Tomar as rédeas da vida e se dar conta que você é o protagonista da sua própria história é o que faz de você singular diante de um mundo com tantas pessoas que passam a vida deixando que outros decidam por eles.

 

 

 

Comentários Facebook

comentarios

Jaqueline D`Hipolito Dartora
Jaqueline D`Hipolito Dartora
Formada em Jornalismo na Universidade Santiago de Compostela, Jaqueline se identifica como escritora e "vinalogadora". Atualmente dedica-se ao marketing e a comunicação, promovendo eventos que conectam e promovem o diálogo entre o vinho e as artes em geral. Têm também vários projetos paralelos relacionados com as letras e o mundo do vinho. Promove formas mais sustentáveis de vida, sendo uma ativista do uso da bicicleta na cidade e de uma vida mais saudável, lenta e meditada. No seu tempo livre realiza trabalhos voluntários em Vinícolas ecológicas e (WWOOF) y recentemente criou o blog Vinálogos. Colabora com alguns blogs, lojas de vinho, e escreve contos, relatos, ensaios em inglês, português e espanhol.

Os comentários estão encerrados.