I colori del sacro: un legato di Carybé al Brasile
17 de julho de 2015
Viaggiando nel suono del treno
20 de julho de 2015
Exibir tudo

Foi um encontro inusitado, naquela manhã de sábado, porque eu não esperava o turbilhão. Mas a XV de Novembro é assim mesmo, a cada quadra, uma manifestação. Vi perucas coloridas, ouvi uma canção. As vadias vinham ao meu encontro! Mergulhei na atmosfera do desfile, emocionada, sorrindo e concordei com o que elas solicitavam e denunciavam à cidade. Nas palavras escritas em cartazes e nos corpos seminus, a expressão de liberdade, de ser dona de si, abria espaço. Mulher pode vestir-se como achar melhor e deve ser respeitada. Assim, passaram como uma enxurrada, aplaudidas, fotografadas.

Meu feminino se solidariza com todas as vadias, desde muitos séculos.

11411897_1084567784904761_2399512491029573809_o

Rua XV de Novembro – Rua das Flores, em Curitiba, Paraná, Brasil.Fotos por Rodrigo Gomes.

 

Segui em frente, ainda pensando nelas e deparei-me com uma tenda que mostrava fotos de animais maltratados/processados, antes de chegar “à nossa mesa”. Fotos horríveis! A tristeza reavivou a culpa pela responsabilidade de ainda consumir e trouxe novamente a ideia de não comer mais carne. A vaga sensação de enjoo me impeliu a sair logo dali.

A carne, de dois jeitos, passou por mim, naquela manhã. Em ambos é desejada.

Não se passa pela XV, incólume!

Comentários Facebook

comentarios

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.