Sempre admirei as obras de Cândido Portinari( 1903-1962), confesso que estudei-o com dedicação e curiosidade como um grande artista do movimento modernista, porém sem conhecer a sua humanidade.

A humanidade que me refiro tem o profundo significado de respeito pelo outro, sobretudo de sua luta pelos direitos humanos. Meu conhecimento era acadêmico, focado na poética de um movimento artístico. 

Qual minha surpresa foi conhecê-lo na sua intimidade, viver seus momentos, chegar perto do seu coração sensível, pelos relatos de seu filho João Cândido Portinari.

Ao conhecer Cândido Portinari pelo olhar de seu filho, as memórias repletas de emoção e afeto, confesso, sem pudores, que seu depoimento, num encontro online com a turma dos Estados Gerais da Cultura, por coincidência no dia dos pais, me aproximou desse incrível artista brasileiro ao ponto de me sentir quase na intimidade de sua família, tal foi a sensibilidade de João Cândido falar de seu pai.  Um bate-papo que recomendo  porque nos faz entrar em outra dimensão da matéria, num universo, ao qual a arte tem o poder nos fazer vibrar nas esferas mais altas e transformar os sentimentos. 

Me emocionou saber que Portinari foi um menino simples do interior de São Paulo, que jamais esqueceu suas origens. Carregou consigo e expressou nas suas telas, nas crianças, ao retratar a alma do povo brasileiro. Um cidadão perseguido pelos governos autoritários, militante político, comunista, aquele que sempre denunciou a desigualdade, a pobreza, a miséria social.

João Cândido Portinari
Café - 1935

“Portinari viu o perdão no olho do mendigo. Portinari viu o que povo brasileiro não podia ver, o que estava escondido e mostrou para nós em suas telas. Portinari ajudou o Brasil a ver o Brasil de verdade. Não aquele que tentava imitar a capital dos colonizadores. O que nós éramos, a beleza do que nós somos”, foi a emocionante definição do ator Eduardo Tornaghi, na Pensata dirigida ao encontro. Assista aqui no canal do EGC

Todas as obras de Portinari estão disponibilizadas didaticamente no Google Art

Mais emocionante foi saber do importante trabalho realizado pelo filho ao realizar um levantamento das obras do pai – um total de cinco mil telas e 30 mil documentos –  e  a partir desse conteúdo criar o Projeto Portinari para crianças, jovens e adolescentes. 

Mais enlevada fiquei quando João Candido compartilhou a emoção que sentiu ao ouvir a fala de Lula, então presidente, na ONU e referindo-se a obra. A única referência feita por um presidente brasileiro em 49 anos de existência da obra. “Esses painéis nessa época de pandemia nunca foram tão atuais”. 

Baile na Roça(1924) foi uma de suas primeiras telas. Quem pousou para ele foram os próprios pais, o sanfoneiro também foi identificado, segundo João Cândido. Na composição ele pinta uma típica festa popular de sua cidade natal no interior de São Paulo, Brodowski 

O menino e o pião (1947) é de uma beleza pueril. A criança sempre foi tema para Portinari, em seus folguedos e brincadeiras. Essa tela é fenomenal ao retratar a infância num chapéu de soldado feito em dobradura de papel e sua atenção a um pião, um brinquedo popular na infância de antigamente. 

A obra “Os Retirantes” produzida em 1944 retrata uma família que precisa abandonar sua terra para fugir da miséria e da fome. Os tons escuros e as figuras fantasmagóricas revelam uma situação desumana que infelizmente ainda é vivenciada por muitos

Guerra e Paz traz uma grande mensagem ética e humanista. Dois painéis com  14 metros de altura e 10 metros de comprimento, que o governo encomendou para presentear a ONU em 1957. O tema do primeiro painel é a guerra, mas em vez de cenas de combate o artista optou por retratar o luto e o sofrimento da população civil. O segundo mural é dedicado à paz, simbolizada por danças e brincadeiras de crianças.

 

Segundo João Cândido, a previsão é de levar em janeiro de 2022, Guerra e Paz para uma mostra pública em Roma e em Pequim.
26 de agosto de 2021

Magistral Portinari tão atual!

Sempre admirei as obras de Cândido Portinari( 1903-1962), confesso que estudei-o com dedicação e curiosidade como um grande artista do movimento modernista, porém sem conhecer a […]
14 de janeiro de 2021

“Diva” vai além do fato de ser uma vulva. É uma ferida

O conceito que está por trás é o grande mote de uma obra de arte contemporânea. E ‘Diva’, uma ferida, associada a vulva gigante, já atingiu […]
23 de setembro de 2020

Humor levado a sério

Engana-se quem pensa que humor não deve ser levado a sério. Latuff, Aroeira e Laerte mostraram muito bem que o tom é de seriedade quando o […]
2 de setembro de 2020

Contundente e visceral arte de Angelo Campos

A arte de Angelo Campos é contundente, fere, agride a quem não quer enxergar uma realidade que é parte de um Brasil sem oportunidades. Seus murais […]
28 de julho de 2020

‘Valentino’. Gênio inigualável entre costura e arte

Valentino colocou nos estúdios do Cinecittà uma instalação toda em branco. A iniciativa me fez lembrar de outra mostra inesquecível! O ano foi de 2007, o […]